AS NUVENS ARISTFANES PDF

The Wasps. The approach of corruption in the judiciary institutions of the fifth century a. From the observation that proceeded Aristophanes in defense of the polis, the goal of this research is to analyze of the comedy The Wasps, centered on its principal: the prologue, the parodo, the agon, the parabasis, episodic scenes, the exodus and secondaries aspects: the educational, the political, the legal and the cultural. Aristophanes criticism came at a time when the Athenian society lived the splendor of democracy, reforms resulting from socio-political-economic Dracon, Solon, Cleisthenes and Pericles. In contrary pole of Athenian democracy, the politician and demagogue Cleon live, in the caricature comic, like a tyrant or an agent of divine king pre-classical Greece, which was the absolute master in society. Both parties of comedy are devoted, therefore, not only to criticize the conduct personal and functional of Filocleon, but invite the Athenian society to preserve its institutions or the functions of democratic power: the People's Assembly, the Council of Five Hundred and the Courts.

Author:Tygolrajas Kazrasho
Country:New Zealand
Language:English (Spanish)
Genre:Music
Published (Last):11 August 2010
Pages:485
PDF File Size:19.37 Mb
ePub File Size:9.51 Mb
ISBN:674-1-73129-953-5
Downloads:86936
Price:Free* [*Free Regsitration Required]
Uploader:Malataxe



Thank you for interesting in our services. We are a non-profit group that run this website to share documents. We need your help to maintenance this website.

Please help us to share our service with your friends. Share Embed Donate. Roncando ainda assim. Que desaforo! Pelos deuses! As coisas por aqui Eram bem diferentes, certamente Nos velhos tempos, antes dessa guerra! Maldita guerra! Arruinou Atenas. Vede como ele dorme aconchegado Sob cinco cobertas. Muito bem! Voltando-se para Feidipides Tudo por tua causa, filho ingrato. Teus malditos cavalos, tuas selas, Arreios, jaezes e chicotes, E rabos de cavalo, ainda por cima!

Estou falido, arruinado, pobre. Vou ver aqui nas contas quanto devo. Lendo em voz alta. Isto tudo? Agora me lembro! Acho que era melhor me ter capado! Corre seguindo bem a tua pista! Ficas sabendo agora. Mas, por azar, com quem fui casar-me? E nos casamos. E deitamos na cama. Chega aqui, que vais ser chicoteado. O que fiz eu? O pavio meteste erradamente. O que eu ia dizer? Grande homem! Por Poseidon juro mesmo. Me prometes? O que desejas, afinal? Ouve o que digo, e faz de ti mesmo Um homem novo, um novo Feidipides.

Cala a boca. Nunca na vida! Nem mesmo se, meu pai, me seduzires Com todos os cavalos de Leogoras! Por favor Vai estudar nesse Pensamental! Muito bem. Como iria eu agora face a face Encontrar-me e com eles discutir? Pode juntar teus trapos e ir embora. Mas tenho que fazer. Por favor, desculpa. Sou um homem do campo, sem traquejo. Que descoberta, diz-me, abortou?

Por isso mesmo aqui me apresento Para estudar neste Pensamental. Primeiro derreteu alguma cera, Depois tratou de aprisionar a mosca E as patinhas meteu na cera mole, Que deixou esfriar.

Mas ainda Ouviste nada. Queres outro exemplo? Fala, por favor. Que grande homem! Que sabedoria! Abra-me a porta do Pensamental! Ser letrado! O que estou vendo? O que achas? Vindos de Pilos. Assim me parece. Procuram trufas. Pesquisam o Hades. Portanto, entrai, entrai! Permite que eles fiquem Por um momento mais. Quero falar-lhes. Como pode isso ali ser mesmo Atenas? Chama tu mesmo Que eu tenho muita coisa que fazer. Que talento! Importunam, perseguem. E pouco falta Que de fato o consigam.

Pelos deuses te juro. Barras de ferro, como os bizantinos? Por Zeus, quero saber toda a verdade. Quero muito. Estou virando Um saco de farinha! Escuta a minha prece. Vinde mostrar-me as vossas formas. Ouve-se o canto das Nuvens, vindo de muito longe. Voai bem alto, Enquanto embaixo Cobre-se a terra De seus trigais, E ruge o mar. Solta gases, ruidosamente.

Ali naqueles vales Se espalham pelos campos, pelos bosques. Nada vejo. E o que tem isso? E o que fazem se encontrarem Simon, esse gatuno do Tesouro De Atenas? E, quando acontecer Um encontro com Cleistenes, se apressam A assumirem a forma de mulher. Soberanas da altura, eu vos bendigo.

Que Zeus? Me responde. As nuvens, certamente. Espera um pouco. Em ti mesmo tens a prova. Como provocam dores de barriga E fazem ribombar o baixo ventre? Com o raio castiga os mentirosos. Logo em seguida Atinge as nuvens e estas se dilatam E se distendem, qual uma bexiga De boi, bem limpa, que um menino sopra E se enche de ar.

Tenho dito. Uma salsicha Eu estava fritando, e me esqueci De abrir a casca, e ela arrebentou Me emporcalhando a cara com a tripa. Quero apenas Dos credores livrar-me para sempre. Dize-me agora Alguma coisa sobre a tua vida. Me tomas, por acaso, Por um objetivo militar?

Apenas eu pretendo Fazer-te umas perguntas.

FISIOPATOLOGIA ANEMIA DE FANCONI PDF

aristofanes-as-nuvens.pdf

.

THE 8088 PROJECT BOOK PDF

Aristófanes - As Nuvens

.

Related Articles